Arquivo da categoria: Mercado

Produção de motos expandiu 15% em setembro

Indústria de Motocicletas Segue Em Expansão: em Setembro,
Produção Cresceu 15%

Dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo mostram que as indústrias instaladas no Polo Industrial de Manaus (PIM) produziram 92.894 motocicletas em setembro. O volume é 15,1% superior a setembro de 2018 (80.687 unidades).

De janeiro a setembro saíram das linhas de produção 836.450 unidades, correspondendo a uma alta de 7,5% na comparação com o mesmo período do ano passado (777.779 unidades). Em relação a agosto, que contou com um dia útil a mais, houve recuo de 19% (114.738 unidades).

A oferta de crédito continua a ser o principal motivo para o crescimento. Segundo Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, este cenário, aliado a taxas de juros mais atrativas, faz com que muitos consumidores troquem suas motocicletas por modelos 0 km. “O que se observa é a motocicleta sendo utilizada cada vez mais como alternativa para a mobilidade flexível, econômica e eficiente nas cidades brasileiras, além de possibilitar a geração de renda para seu condutor”, explica.

Na análise do executivo, o mercado ainda deve se manter aquecido nos próximos meses em função de fatores sazonais, como o pagamento do 13º salário e a chegada do verão, além do lançamento de novos modelos durante do Salão Duas Rodas, programado para o período de 19 a 24 de novembro, no São Paulo Expo, em São Paulo (SP). “O Salão é o principal evento do Setor de Duas Rodas e costuma receber mais de 200 mil visitantes, atraindo compradores entusiastas, que sempre aguardam pelas novidades e querem experimentar e adquirir uma motocicleta nova”, diz Fermanian. 

Oferta de crédito e taxas de juros atrativas são os principais motivos para a alta demanda; a média diária de vendas foi a maior para o mês desde 2015.

Pelas projeções atuais da Abraciclo, as fabricantes de motocicletas deverão produzir 1.100.000 unidades no presente ano, o que representa uma alta de 6,1% na comparação com o volume de 2018 (1.036.788 unidades).

VENDAS NO ATACADO

Em setembro as vendas de motocicletas no atacado – das fabricantes para as concessionárias – somaram 95.282 unidades, correspondendo a um avanço de 24,2% em relação ao mesmo mês do ano passado (76.695 unidades) e queda de 9% na comparação com agosto do presente ano (104.649 unidades).

No acumulado do ano foram vendidas 816.064 motocicletas no atacado, volume 14,7% superior ao mesmo período de 2018 (711.644 unidades).

EMPLACAMENTOS

Em setembro, 87.719 motocicletas foram licenciadas no País, representando uma alta de 18,4% na comparação com o mesmo mês do ano passado (74.067 unidades), de acordo com a análise dos dados do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam) feita pela Abraciclo. Em comparação com agosto (88.625 unidades), houve queda de 1%.

        Com 21 dias úteis em setembro, a média diária de vendas foi de 4.177 motocicletas. Esse foi o melhor desempenho para o mês desde 2015 (4.521 unidades/dia, que também teve 21 dias úteis). Na comparação com setembro de 2018 (3.898 unidades/dia, com 19 dias úteis), o crescimento foi de 7,2%. Na comparação com agosto do presente ano, a alta foi de 3,7% (4.028 unidades/dia, com 22 dias úteis).

Ainda segundo a análise dos dados do Renavam, de janeiro a setembro foram emplacadas 796.426 motocicletas no País, volume 14,4% maior ante as 695.928 unidades licenciadas no mesmo período do ano passado.

EXPORTAÇÕES

Em setembro foram exportadas 2.390 motocicletas, correspondendo a uma queda de 28,4% na comparação com o mesmo mês de 2018 (3.336 unidades) e de 33% em relação a agosto do presente ano (3.566 unidades). No acumulado de janeiro a setembro o volume exportado foi de 29.136 unidades, representando uma queda de 49% na comparação com o mesmo período de 2018 (57.131 unidades).

A Argentina foi o principal destino das motocicletas em setembro, segundo dados do portal de estatísticas de comércio exterior Comex Stat, que registra os volumes de embarques totais de cada mês,analisados pela Abraciclo. Foram embarcadas 1.942 unidades para aquele país, o que representa 58,6% do volume total  exportado. Na sequência, ficaram a Colômbia (602 unidades e 18,2% de participação) e os Estados Unidos (356 e 10,7%).

Nos nove meses do ano, a Argentina também foi o país que mais comprou motocicletas fabricadas no PIM. De janeiro a setembro foram embarcadas 14.274 unidades, o que representa 47,2% do volume total exportado. Em seguida, vieram os Estados Unidos (5.881 unidades e 19,5% de participação), seguidos pela Colômbia (4.021 unidades e 13,3%).

DESEMPENHO POR CATEGORIA NO ATACADO

A Street foi a categoria mais vendida em setembro, com 49.013 unidades e 51,4% de participação. Na sequência, vieram a Trail (19.005 e 19,9%), Motoneta (11.998 e 12,6%), Scooter (8.716 e 9,1%) e Naked (2.066 e 2,2%). 

Essas posições foram mantidas no acumulado de janeiro a setembro: Street (406.526 unidades e 49,8% de participação), Trail (163.153 unidades e 20%); Motoneta (121.941 unidades e 14,9%), Scooter (70.497 unidades e 8,6%); e Naked (18.895 unidades e 2,3%). 

Yamaha Motor revê linhas gerais de visão a longo prazo

A Yamaha Motor Co.,Ltd. (TOKYO:7272) anunciou ontem que concebeu sua visão de longo prazo até 2030, bem como um novo plano de gerenciamento de médio prazo para o período de três anos que inicia em 2019.

Com relação à sua visão de longo prazo, a Yamaha Motor criou o slogan “ART for Human Possibilities” (ARTE para possibilidades humanas) e definiu uma estratégia de crescimento até 2030. A empresa implementará suas estratégias decrescimento promovendo soluções para problemas sociais com base nos seus próprios valores históricos, para diversificar cada vez mais os valores das pessoas e o ambiente nas sociedades.


Apesar de manter o poder de rentabilidade dos negócios existentes, o novo plano de gerenciamento de médio prazo alocará recursos para áreas de crescimento estratégicas como novos negócios, e trabalhará para alcançar vendas líquidas consolidadas de 2 trilhões de ienes e uma receita operacional consolidada de 180 bilhões de ienes.

Yamaha Motor Co., Ltd.

Naoto Horie, +81-3-5220-7211

Divisão de Comunicação Corporativa

Equipe de RP globais

Fonte: https://global.yamaha-motor.com/news/2018/1211/mtp.html

Pode chegar a R$ 4 mil a bonificação na troca por BMW GS

A BMW Motorrad no Brasil acaba de lançar uma campanha especial de vendas para a R1200 GS e R1200 GS Adventure (2018/2018), ícones no segmento adventure: quem adquirir algum dos modelos ganhará um GPS Navigator V. Potente e compacto, o dispositivo oferece conexão Bluetooth, atualizações de mapas em tempo real e display TFT de cinco polegadas.

Com seu motor boxer de dois cilindros opostos que geram 125 cavalos de potência a 7.750 rpm e 125 Nm de torque a 6.500 rpm, a linha BMW R 1200 GS também está oferecendo um bônus de R$ 2.500 na valorização da seminova (de qualquer marca) do cliente que desejar adquirir o modelo mediante a troca da sua usada. Para isso, a avaliação deverá ser realizada pelo concessionário autorizado responsável pela venda.

Caso a motocicleta usada na troca seja da BMW Motorrad financiada pela BMW Serviços Financeiros, o cliente ganhará um bônus adicional de R$ 1.500 na compra do modelo novo caso este também seja financiado pela financeira da marca — totalizando um abatimento de até R$ 4.000 na compra da moto zero quilômetro.

Neste caso, a condição é válida para clientes que possuem contrato ativo com BMW Serviços Financeiros e realizarem um novo contrato do modelo R1200 GS ou GSA zero quilômetro seis meses antes da data de vencimento de seu contrato ou em até três meses após a data de quitação de seu contrato vigente (sujeito à aprovação de crédito).

 “Lançamos esta campanha para valorizar o reconhecimento e a liderança da linha GS da BMW Motorrad no país. Seja pelo bônus na troca pelo seminovo ou pelo moderno sistema de navegação Navigator V, o motociclista que adquirir o modelo R1200 GS levará para a garagem não apenas um veículo com condições especiais, mas um legítimo ícone de aventura sobre duas rodas”, comenta Matteo Villano, gerente sênior de vendas da BMW Motorrad.

A campanha tem validade até o dia 15 de julho ou enquanto durar o estoque de 180 unidades. Atualmente, a BMW Motorrad possui 40 pontos de vendas espalhados pelo país.

*Os valores de bônus mencionados não são passíveis de conversão em dinheiro ou em qualquer outro benefício.

Para mais informações sobre a BMW do Brasil acesse:

www.bmw-motorrad.com.br

Fonte: Pode chegar a R$ 4 mil a bonificação na troca por BMW GS | MOTO ESPORTEMOTO ESPORTE

ctpscatual_centrodepilotos_com_br2

PRODUÇÃO DE MOTOCICLETAS CRESCE 37,3% EM ABRIL COM 88.422 UNIDADES

As fabricantes de motocicletas instaladas no Polo Industrial de Manaus (PIM) fecharam o mês de abril com 88.422 unidades produzidas, o volume representa alta de 37,3% sobre o mesmo mês do ano passado (64.380), mas na verificação com março houve recuo de 6,5% (94.599). Os resultados também foram positivos na confrontação quadrimestral. Nos primeiros quatro meses de 2018 saíram das linhas de produção 347.959 motocicletas, avanço de 17,6% sobre o mesmo período do ano passado (295.761). Revelou a ABRACICLO – Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares –  representa, no país, os interesses dos fabricantes de veículos de duas roda.

ABRACICLO Marcos Fermanian - presidentePara Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, este bom resultado mostra que pouco a pouco o setor de Duas Rodas vem se recuperando da crise econômica que jogou para baixo o volume de produção nos últimos anos. “Quatro meses consecutivos de bons resultados faz com que a indústria caminhe para um crescimento sustentável”, diz Fermanian. A projeção da entidade é um crescimento de 5,9% no acumulado do ano.

O desempenho de vendas para o atacado também foi positivo. Em abril foram repassadas às concessionárias 78.536 unidades, alta de 28% na comparação com o mesmo mês de 2017 (61.342), mas um recuo de 10% sobre março (87.243). Já no acumulado dos quatro primeiros meses houve aumento de 12,8%, sendo 312.539 unidades de janeiro a abril deste ano e 277.160 em igual período do ano passado.

Entre as categorias mais comercializadas em abril, destaque para Street que aparece no topo do ranking com 48,9% de participação (38.410), seguida da Trail, com 23,2% (18.185) e da Motoneta, 14,1% (11.098). Depois vem o Scooter, com 7,2% (5.685), e a Naked, com 2,4% (1.857).

Emplacamentos

Com base nos dados do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), as vendas no varejo totalizaram 82.118 unidades em abril, aumento de 26,4% sobre o mesmo mês do ano (64.961) e de 3,5% sobre março (79.320). Já no comparativo do acumulado de janeiro a abril, a alta foi de 9,2%, sendo 301.422 unidades em 2018 e 275.931 em 2017.

No que diz respeito às vendas diárias, em abril a média foi de 3.910 unidades com 21 dias úteis, salto de 8,4% sobre o mesmo mês do ano passado (3.609) com 18 dias. Já na comparação com março o avanço foi de 3,5% (3.777).

 Exportações

Na análise sobre as motocicletas enviadas para outros países em abril, foi registrada alta de 75,4% sobre o mesmo mês de 2017. A Argentina liderou o ranking com 77,6% de participação, seguida dos Estados Unidos, com 10,9%, Colômbia (4,5%), México (2,1%) e Austrália (2,1%).

 Projeções atualizadas

MOTOCICLETAS – PROJEÇÕES 2018
2017 2018 Quantidade Variação %
Produção 882.876 935.000 52.124 5,9
Atacado 814.573 850.000 35.427 4,3
Varejo 851.013 865.000 13.987 1,6
Exportação 81.789 85.000 3.211 3,9

 

 ctpscatual_centrodepilotos_com_br

 

 

 

 

 

 

 

 

O perfil de quem busca moto na internet

Uma pesquisa nacional realizada pelo Mercado Livre, com cerca de 2.000  internautas, que buscam por motos na plataforma revela que 89% dos participantes pretendem comprar ou trocar de moto. Quase maioria (42%) espera comprar o veículo entre os próximos seis meses e um ano e uma parcela de 22% programa a troca para daqui a um ano ou até dois.

jaqueta-raven-femininaCompras a curto ou a longo prazo não parece atrair os entrevistados: somente 11% programam a compra já para os próximos três meses e 6% responderam que a compra será realizada em, no mínimo, dois anos. Uma parcela de 19% não soube precisar quando a troca se daria. Realizada em março deste ano, a pesquisa entrevistou 2096 pessoas de ambos os sexos, 79% dos quais, informaram já possuírem moto.

Entre os que declararam desejo em adquirir um novo modelo, a preferência é por motos seminovas (53%) e que custem até R$ 15 mil (42%). Outras faixas de preço mencionadas foram: de R$ 15 mil a R$ 25 mil (30%) e de R$ 25 mil a R$ 35 mil (14%). Com 7%, cada, aparecem os valores de R$ 35 mil a R$ 45 mil e acima de R$ 45 mil.

O levantamento analisou, ainda, as tendências para diferentes faixas etárias – Baby Boomers, Geração X e Y – e leva em conta diversos aspectos como o uso que fazem da moto, o estilo de veículo preferido, intenção de compra e faixa de preço.

Entre os apaixonados por duas rodas, 48% andam de Honda, 20% de Yamaha e 10% de Suzuki. Outras marcas reconhecidas no mercado ficam logo atrás como Kawasaki (5%), Harley Davidson (4%) e BMW (3%), respectivamente; demais modelos somam (10%).

jaqueta-raven-masculinaEm geral, para 40% dos pesquisados, a principal função do veículo é para deslocamento até o trabalho, já 39% preferem a moto para passeios, 9% para viagens e os demais (12%) para outras atividades. A maior parte desses pilotos já viajou de moto (63%), enquanto 37% ainda não.

A pesquisa também analisou os modelos de motos preferidos segundo diferentes perfis de gerações. Confira abaixo o perfil de consumo de cada faixa etária, segundo a pesquisa:

 Geração Y

A geração mais jovem a dirigir geralmente escolhe veículos com visual mais arrojado e que combinem com sua direção mais acelerada. Os Millennials – entre 18 e 35 anos – se interessam mais pelas motos esportivas (37%) e pelos modelos naked (30%). Motores que possuem em média 250 a 349 cilindradas atraem praticamente metade dos jovens (47%), enquanto as motos de até 125 cilindradas vêm logo atrás com 30%.

Na hora da compra, a preferência é por veículos seminovos (56%), que custem até R$ 15 mil (53%). A principal forma de pagamento escolhida por 43% é dar uma entrada e financiar o restante, enquanto 33% optam por desembolsar todo o valor à vista.

Geração X

Os adultos desta faixa etária, que têm entre 35 e 49 anos, são mais maduros e encaminhados profissionalmente, mas possuem um gosto similar ao dos Millennials, de acordo com a pesquisa. A preferência por motos esportivas (36%) e naked (22%) é um dos sinais, assim como a escolha de adquirir um veículo seminovo (53%), com valor de mercado inferior a R$ 15 mil (39%).

A forma de pagamento também acompanha a geração mais nova, pois 42% escolhem adquirir um veículo dando uma entrada e financiando o excedente, enquanto 34% pagam à vista. Já a quantidade de cilindradas ideal para boa parte deles (38%) é entre 250 e 349, muito próximo do desejo de 35% por um motor com mais de 500 cilindradas.

 Baby boomers

O maior poder aquisitivo e estilo de condução voltado para o conforto justificam as preferências dos mais experientes por veículos com maior cilindrada, preferencialmente 0 km e, consequentemente, mais caros.

Em geral, os nascidos após o período da Segunda Guerra Mundial preferem as motos estilo Custom (29%), enquanto as esportivas ficam em segundo plano (24%). Os veículos com mais de 500 cilindradas atraem mais da metade dos pilotos experientes (52%), enquanto outros preferem os modelos que tenham entre 250 e 349 cilindradas (27%).

O comportamento de compra é diferente na hora de fechar negócio, já que a faixa de preço que buscam é a mais alta das três gerações: 32% pretendem desembolsar entre R$ 15 mil e R$ 25 mil. Neste grupo, a maior parte deles prefere pagar à vista (46%), já 37% pagam um valor de entrada e financiam o restante.

CTPSCCursoRemaza

Crédito para aquecer à venda de motos

Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares, firmou acordo de cooperação comercial com a Caixa Econômica Federal, em São Paulo (SP).

O compreendido prevê o desenvolvimento de ações conjuntas para potencializar os negócios do setor e fortalecer as parcerias entre a Abraciclo e suas associadas e a Caixa e suas subsidiárias, por meio de linhas de financiamento para os consumidores e para pessoas jurídicas (indústria e concessionárias). Serão oferecidas taxas competitivas e prazos diferenciados.

“O acordo é uma conquista para o segmento, que vem sofrendo com a alta seletividade na oferta de crédito nos últimos  anos. A iniciativa da Abraciclo junto à Caixa vem num momento muito oportuno para estimular os negócios, ampliando a oferta de crédito para os consumidores, o que permitirá um acesso ainda mais fácil para compra das motocicletas”, declara Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo.

Fotos: Marcel Mano

 

 

 

Já de acordo com o vice-presidente de Estratégia de Produtos de Varejo da Caixa em exercício, Humberto Magalhães, o acordo é muito importante para o segmento. “Com essa parceria, a Caixa propicia condições ainda melhores de financiamento para os seus clientes que desejam adquirir motos, além de ofertar às concessionárias e fabricantes linhas de crédito mais atrativas que contribuirão para o aquecimento do setor”.

 

 

O evento contou com as presenças de representantes do  Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), do deputado federal Pauderney Avelino, executivos da Abraciclo, da Caixa Econômica Federal e das empresas fabricantes de motos, além da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores – Fenabrave, de associações de marca, concessionários e demais representantes do setor.

A indústria de motocicletas sofreu com as incertezas do cenário político-econômico durante todo o ano de 2016. Diante de um mercado mais cauteloso, para 2017, o segmento projeta atingir resultados semelhantes ao do ano anterior, quando a produção atingiu o mesmo patamar de 2002 (menos de 890 mil unidades), mantendo-se estável. Além disso, a realização de eventos, como o Salão Duas Rodas, em novembro próximo, deverá contribuir para estimular os negócios no segundo semestre.

Para as indústrias e concessionárias, a CAIXA disponibiliza ainda um portfólio de produtos de crédito PJ, seguros e consórcios, que podem facilitar ainda mais a comercialização de motocicletas e gerar diversos negócios com vantagens para o segmento.

PROJEÇÃO 2017
2016 2017 Qtde Var %
Produção 887.653 910.000 + 22.347 + 2,5%
Atacado 858.120 825.000 – 33.120 – 3,8%
Varejo 899.793 890.000 – 9.793 – 1,1%
Exportação 59.022 93.000 + 33.978 + 57,6%

Em 2016, o grupo CAIXA, que inclui também o Banco PAN, foi responsável por aproximadamente 25% do mercado de financiamento de motos, com uma aplicação média mensal de R$ 60 milhões e saldo em financiamento de R$ 1,2 bilhão.

ABRACICLO firma parceria com a Caixa Econômica Federal para aquecer as vendas e fortalecer o Setor de Duas Rodas.

Roadster™ é estrela da campanha da Harley-Davidson do Brasil

A Roadster™ é o mais novo modelo do lineup 2017 da Harley-Davidson do Brasil, virando novamente os holofotes para a família Sportster®. O estilo minimalista dessa motocicleta a torna muito especial em decorrência de seus inúmeros detalhes. A começar pelo desempenho moderno e estilo de inspiração retrô com componentes de suspensão premium, um motor de 1200 cilindradas V-Twin Evolution® refrigerado a ar, que proporciona um forte impulso de torque de gama média e um perfil remanescente das antigas motocicletas de corrida das décadas de 1950 e 1960.
Possui guidão rebaixado e o inconfundível paralama traseiro cortado (chopped), os grafismos inspirados nas motos de corridas e que remetem à herança das pistas, a tampa do distribuidor com aletas, protetores do escapamento pretos com aberturas, freios dianteiros de disco duplo, suspensão traseira especial e um painel de instrumentos digital exclusivo. Sem sombra de dúvidas, é uma autêntica Dark Custom™.
Por conta desses atributos que diferenciam o modelo, a Harley-Davidson do Brasil desenvolveu uma campanha exclusiva para a Roadster™, com divulgação focada na página oficial da marca no Facebook. A ação conta com dois vídeos diferentes, produzidos no Brasill e baseados na essência dos mínimos detalhes dessa motocicleta.

O primeiro deles segue um enredo sombrio, cheio de mistério e revela ao público alguns detalhes da Roadster™, com a câmera focada nos itens que são únicos dessa moto. O grande diferencial é que a narração é feita pela própria Roadster™, com uma voz de fundo em primeira pessoa, que dirige-se diretamente aos espectadores. O mote desta produção é apresentar a motocicleta de maneira impactante, com frases de efeito como “Você não me conhecia. Agora, não vai se esquecer de mim”. Este vídeo já está no ar no Facebook oficial da Harley-Davidson do Brasil em goo.gl/pi9RxC.
A segunda gravação da campanha está focada no lifestyle do conceito Dark Custom™ que envolve o mais recente modelo da família Sportster®, que tem origem nas pistas de corrida e cuja essência faz parte do DNA deste modelo. É aqui que o espectador vai sentir a real adrenalina de se pilotar a Roadster™, com imagens de duas motocicletas competindo entre si, com o objetivo de enfatizar o desempenho único que a moto possui, principalmente nas curvas. Novamente, é ela que dialoga diretamente com o público, com narrativa em primeira pessoa, contando a que veio, como: “Você pensa que me guia, mas na verdade quem te guia sou eu”. Essa produção também já está no ar: goo.gl/fWgER9
A campanha focada na Roadster™ está no ar durante março e abril. Como o modelo é um grande lançamento de 2017, a Harley-Davidson do Brasil, está empenhada em difundir cada vez mais o estilo de vida único da marca, reforçando quesitos importantes como liberdade e irmandade. Por isso, preparou condições exclusivas de compra para o modelo. A motocicleta conta com taxa de 0,99% ao mês com 50% de entrada e saldo em 12 ou 24 vezes e também R$ 3.000,00 de valorização em uma seminova para Roadster™ ano/modelo 2016/2017 e valorização de R$ 1.500,00 em uma seminova para Roadster™ ano/modelo 2017/2017.

British Ducati 959 Panigale

  • Cada moto é numerada individualmente por laser
  • Desempenho Ducati 959 Panigale edição especial também está disponível com a opção adicional de carbono

A Panigale é uma adição incrível à família Superbike, compartilhando as mesmas características estilísticas inovadoras que caracterizam a sua “irmã maior”, a 1299 Panigale. Agora, o ‘Supermid’ 959 é reforçada com  a #ducati e acessórios de desempenho para criar um impressionante # 959panigale #ducati de desempenho de edição limitada.

Está disponível com duas opções, #ducati opção de desempenho a um preço de varejo de £ 15.995 ou com o pacote de carbono adicional para um extra de £ 1000.

A # 959panigale Special Edition vem com o sistema Akrapovic em titânio, silenciador de escape, bem como componentes feitos de fibra de carbono e alumínio.

O #ducati opção desempenho vem com o titânio Akrapovic sistema de sub-motor, escape e carenagens inferiores de corridas , uma tampa de enchimento do tanque de corrida , pedaleiras articuladas, proteção manete de freio, capa do assento e na cor da Ducati Corse.

Além disso, está disponível um pacote de carbono que vem com tampa da ignição, protetores de calcanhar, rabeta, tampa do pinhão frente de carbono, pesos de guidão em alumínio, protetor de tanque de combustível em carbono,  protetor de corrente e guarda para-lamas traseiro de carbono.

Produção de motocicletas registra alta em janeiro

image002Da divulgação.

Em janeiro saíram das linhas de produção 81.646 motocicletas, contra 32.814 unidades em dezembro e 75.959 no primeiro mês de 2016, o que representa crescimentos de 148,8% e 7,5%, respectivamente, de acordo com os dados divulgados pela ABRACICLO – Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares.

“O aumento de produção registrado em janeiro ocorreu em função das bases de comparação terem sido os baixos volumes de dezembro, quando as fabricantes se encontravam nas habituais férias coletivas de final de ano.  O que se verifica no momento ainda é um ritmo lento na comercialização, com os consumidores tendo dificuldades para obter financiamento e as redes de concessionárias buscando formas variadas para viabilizarem os negócios”, afirma Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo.

“Apesar do crescimento, a média diária de vendas no primeiro mês de 2017 atinge o menor patamar de janeiro desde 2003.”

As vendas no atacado – para as concessionárias – atingiram 67.136 unidades em janeiro, alta de 19,8% em relação ao mês de dezembro, com 56.051, e de 14,2%, em comparação com janeiro de 2016 (58.801).

As exportações somaram 5.769 unidades no 1º mês deste ano, contra 6.402 de dezembro, o que representa um recuo de 9,9%. No entanto, em comparação com o mesmo mês de 2016, com 3.336 motocicletas exportadas, houve um crescimento de 72,9%.

Reforçando o momento de cautela no mercado, ainda em janeiro, com base nos licenciamentos* registrados pelo Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), foram emplacadas 67.596 motocicletas, volume 16,4% inferior ao apresentado no mês anterior (80.837). Em relação ao mesmo mês de 2016 (78.538), houve queda de 13,9%.

Mesmo com dois dias úteis a mais que o primeiro mês do ano passado (20 dias), a média diária de vendas apresentou queda de 21,8%, passando de 3.927 para 3.073 motocicletas – o pior janeiro desde 2003, que havia registrado a venda de 2.920 unidades por dia útil.

(*) No varejo, foram desconsiderados os ciclomotores usados, cujo licenciamento junto aos
Detrans passou a ser obrigatório a partir da Lei nº 13.154, de 30/07/2015, e da Resolução Contran nº 555/15, de 17/09/2015.

Sobre a ABRACICLO e o Setor de Duas Rodas

Com 40 anos de história e contando com 14 associadas, a ABRACICLO – Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares –  representa, no país, os interesses dos fabricantes de veículos de duas rodas, além de investir em ações visando a paz no trânsito e a prática da pilotagem segura.

A fabricação nacional de motocicletas, quase totalmente concentrada no Polo Industrial de Manaus (PIM), está entre as seis maiores do mundo. No segmento de bicicletas, com as principais fábricas também instaladas no PIM, o Brasil se encontra na quarta posição entre os principais produtores mundiais. No total, as fabricantes do Setor de Duas Rodas geram aproximadamente 14 mil empregos diretos no PIM.

MOTOCICLETAS BICICLETAS
Frota nacional: mais de 25 milhões Frota nacional: mais de 70 milhões
Produção anual: cerca de 900 mil  unidades Produção anual: 2,5 milhões
de unidades
6º maior produtor mundial 4º maior produtor mundial

(*) Dados do fechamento de 2016.

Para conhecer mais sobre os trabalhos da ABRACICLO, acesse o site www.abraciclo.com.br.

 

40 anos de Abraciclo, número de azar no oriente

DSCF3263 (Small)Número 4, que no Japão também pode ser dito como Shi que significa morte.

Abraciclo prevê retração de 9,7% e 10,1% em produção e vendas, respectivamente, em 2016.

Segundo levantamento divulgado pela ABRACICLO, Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares, no primeiro trimestre deste ano foram fabricadas 227.426 motos, contra 360.187 unidades no mesmo período de 2015, correspondendo a uma redução de 36,9%. O acumulado das vendas no atacado – das montadoras para suas concessionárias – apresentou queda de 37,4%, quando comparado aos primeiros três meses do ano anterior. Foram comercializadas 215.372 motocicletas frente a 343.817 unidades.

Em março, saíram das linhas de produção 80.410 veículos, ante 71.095 unidades, em fevereiro, e 127.301 unidades no mesmo mês de 2015. As vendas no atacado alcançaram 83.523 motos no terceiro mês de 2016, contra 73.048, em fevereiro, e 130.962 unidades registradas em março do ano anterior.

Sobre as exportações, o acumulado do primeiro trimestre alcançou alta de 116,5%, com 13.749 unidades exportadas, ante 6.351 no mesmo período de 2015. Já o comparativo mensal registrou 4.721 motocicletas exportadas em março, contra 5.692 unidades em fevereiro, e 1.686 unidades em março do ano passado.

VENDAS NO VAREJO

Com base nos licenciamentos registrados pelo Renavam, foram emplacadas 239.923 motocicletas de janeiro a março*, volume 26,6% inferior ao apresentado no mesmo período do ano anterior, com 326.960 unidades.

No comparativo mensal, março registrou 86.981 motos licenciadas, frente a 74.404 unidades em fevereiro, e 124.507 unidades em março de 2015. Apesar de registrar o mesmo número de dias úteis, a média diária de vendas ficou 30,1% abaixo da apresentada em março do ano passado, caindo de 5.659 unidades, em 2015, para 3.954 unidades, em 2016.

(*) Foram desconsiderados os ciclomotores usados, cujo licenciamento junto aos Detrans passou a ser obrigatório a partir da Lei nº 13.154, de 30/07/2015, e da Resolução Contran nº 555/15, de 17/09/2015

PROJEÇÕES

Considerando os resultados do primeiro trimestre deste ano, a Abraciclo reviu as projeções do setor para 2016, conforme mostra o quadro a seguir.

MOTOCICLETAS – REALIZADO 2015 E NOVA PROJEÇÃO 2016

2015                     2016                     Qtde                     Var %

Produção            1.262.708           1.140.000           – 122.708            -9,7%

Atacado              1.189.933           1.070.000           –  119.933           -10,1%

Varejo*                1.224.597           1.075.000           –  149.597           -12,2%

Exportação               69.123                70.000                       877               1,3%

(*) Sem ciclomotores antigos

Fontes: Renavam e Associados

“Assim como outros setores da economia, que registram resultados negativos no período, o segmento de motocicletas também se enquadra no contexto atual da crise político-econômica. Diante deste cenário, a projeção de produção e vendas para o fechamento de 2016 é de uma retração de 9,7% e 10,1%, respectivamente”, comenta Marcos Fermanian, presidente da entidade.

ABRACICLO COMPLETA 40 ANOS COMO REPRESENTANTE DO SETOR DE DUAS RODAS

Brasil, anos 70. Diante da alta do preço dos combustíveis, mesmo com olhar de cautela e desconfiança, o ciclomotor e a bicicleta apontavam como opções de meios de locomoção econômicos e ágeis. Fundada com o propósito de representar e fomentar o crescimento saudável do mercado nacional de Duas Rodas, a ABRACICLO, Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares, iniciou suas atividades institucionais em 2 de abril de 1976.

Com a missão de apoiar e defender as atividades e interesses relacionados ao segmento nas áreas política econômica, social e técnica, atuando fortemente na melhoria da imagem destes veículos, a Abraciclo percorreu uma desafiadora luta nas últimas quatro décadas.

HOMENAGENS

Para comemorar a data histórica, a Abraciclo promoverá uma série de homenagens aos principais personagens que protagonizaram importantes e indispensáveis papéis ao longo desses 40 anos. As homenagens estão programadas para a parte final das Entrevistas Coletivas à Imprensa da entidade, que ocorrem trimestralmente.

Na abertura desta série, em 7 de abril, em evento no Hotel Renaissance, em São Paulo/SP, foram homenageados com placas comemorativas Nilo Delgado, executivo que lavrou a ata

de constituição em abril de 1976, Jorge Ubirajara Cardoso Proença, primeiro diretor executivo da associação, atuando de 1980 a 2007, e Masuo Murakami, um dos mais influentes presidentes da entidade, entre 1986 e 1999.

40 anos de Abraciclo, número de azar no oriente