Arquivo da categoria: meio ambiente

Promot M5 entra em vigor nas motos 0 KM em 2023

Após cinco anos de efetiva contribuição técnica do programa Inovar-Auto e também nos primeiros dois anos ao Rota 2030, a AEA – Associação Brasileira de Engenharia Automotiva anunciou ontem, dia 26 de novembro, estar preparada para debater e encaminhar propostas às futuras regulamentações de emissões para veículos leves, pesados e motociclos, além da Indústria 4.0, capítulos previstos na fase II da principal política industrial do setor automotivo. Durante o encontro promovido, o novo presidente da entidade também foi apresentado, Besaliel Botelho.

No encontro de final de ano com a imprensa especializada foram apresentados os dados sobre as etapas do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (PROCONVE), além do Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares (PROMOT), até a atual fase M4.

Fases do Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares.

De acordo com Marcio Azuma, diretor executivo da AEA, ligado à área de regulamentações e certificações da Honda, nos últimos 10 anos, o Promot M5 está previsto para entrar em vigor em 2023 a partir de novos modelos, e em 2025 para todos os modelos em produção.

O Promot M5 adotará ajustes elétricos e eletrônicos calibrados para menores emissões de gases poluentes no meio ambiente e provavelmente uma luz indicadora, no painel de instrumentos, indicando anomalia nos níveis de emissões, assim tipo, a espia de anomalia no sistema de injeção, hoje mais comum nos modelos produzidos nos últimos anos.

Entidade ainda promoveu o lançamento oficial do “Desafio AEA de Manufatura Avançada” à rede pública do Estado de São Paulo, inicialmente, com o objetivo de estimular os alunos dos ensinos fundamental e médio em relação à Inteligência Artificial (IA) e Internet das Coisas (IoT), bases da Indústria 4.0.

Vespa Elettrica abre reservas online na Europa

Desde ontem, até novembro, os concessionários Piaggio na Europa deram início a campanha de reservas online da Vespa Elettrica. A comercialização do modelo em larga escala terá início em novembro, para coincidir com a mostra de motocicletas EICMA 2018, em Milão. As vendas começarão na Europa, para depois serem estendidas aos EUA e à Ásia no início de 2019.

De acordo com o Grupo Vespa, a Vespa Elettrica é um ícone contemporâneo da tecnologia italiana no mundo, sinônimo de conectividade avançada e silêncio, personalização e acessibilidade, respeito ao meio ambiente e estilo. Estes valores sempre caracterizaram a Vespa e estão totalmente presentes de novo hoje na Vespa Elettrica, confirmando a Vespa como uma marca pioneira no seu mercado.

Com uma unidade de potência máxima de 4 kW, a Vespa Elettrica, assistida pelo desempenho dinâmico típico dos motores elétricos, supera um tradicional 50cc scooter, particularmente no que diz respeito à aceleração e arranque em subida.

A Vespa Elettrica tem um alcance máximo de 100 km , um valor que muda pouco entre ambientes urbanos e extraurbanos graças à moderna bateria de Ions de lítio da scooter e ao sistema de recuperação de energia cinética, que recarrega a bateria durante a desaceleração.

Para recarregar a bateria, o condutor simplesmente conecta o cabo localizado no compartimento abaixo da sela em uma tomada elétrica normal ou em um dos pontos de recarga que estão se tornando comuns nas cidades atuais. Uma recarga completa normalmente leva 4 horas.

Grupo Piaggio estreia nova plataforma financeira com lançamento da Elettrica

A Vespa Elettrica está disponível nos principais países da Zona Euro a um preço de 6.390 € ou, alternativamente, através de uma nova solução de compra baseada em € 99 * pagamentos mensais fáceis. Com o acréscimo de um pequeno pagamento, a prestação mensal também inclui a Vespa Care, um pacote de manutenção de serviços planejados (36 meses ou 10.000 km), uma extensão de garantia de 12 meses, verificação regular de bateria e assistência na estrada aprimorada com serviços especiais.

Estes pacotes financeiros foram criados e desenvolvidos pela Piaggio Financial Services, a nova plataforma financeira do Grupo Piaggio, em atenção às mudanças nas necessidades dos clientes, que está a estrear com o lançamento da Vespa Elettrica.

A partir de 2019, os novos serviços financeiros serão estendidos a todos os veículos do grupo: as scooters Piaggio, as linhas Vespa, Moto Guzzi, Aprilia, Derbi e Gilera, e aos veículos comerciais.

No site http://www.vespa.com ou site dedicado elettrica.vespa.com/ , os clientes podem garantir ser um dos primeiros proprietários da versão verde do scooter do Grupo Piaggio.

#VESPA #CORPORATE #PRODUCT #EVENT #MOTORBIKE #DESIGN #SCOOTER #FASHION #CULTUREMARKETING #ARCHITECTURE #AUTOMOTIVE #VESPAELETTRICA #ELETTRICA #TMOTO #DUMANO #PIAGGIO #Vespa #MotoGuzzi #Aprilia #Derbi #Gilera #EICMA

E-Rex Electric Bike Prototype

erexcapaA montadora japonesa Mugen uniu forças com a Honda para construir uma moto de motocross – e foi inspirada pelo dinossauro T-Rex.

Sua moto elétrica de corrida – a Shinden, que ganhou três provas sucessivas na classe elétrica Zero na Ilha de Man TT, ajudou a projetar a Mugen como um dos  principais jogadores no mundo da motocicleta elétrica. E a empresa tem trabalhado duro, desenvolvendo ainda mais a tecnologia existente com o anúncio de sua nova máquina de Elétrica Motocross; a E-REX.

Mugen revelou o protótipo da E-REX no stand da Honda durante o  Tokyo Motor Cycle Show deste fim de semana (25-26 de março de 2017) – e se você olhar de perto, também será capaz de detectar os componentes de suspensão e Nissin – Marcas que a Honda é proprietária, assim como o Mugen Shiden, nenhuma economia foi feita quando se trata de peças de top de linha. Você também deve ter visto os discos de freio de fibra de carbono – mas tente não ficar muito animado ainda, porque ainda é um conceito.

A verdadeira questão agora é o que Mugen e Honda planejam fazer a partir daqui. Eles disseram que eles irão: “Explorar o potencial futuro”, de uma máquina de motocross elétrica (que é um pouco vaga) – mas com sussurros de dirtbike elétrico sendo introduzido para múltiplas corridas off-road série, Mugen e Honda estão bem Pronta para dominar a pista de terra, também.

Nova geração do scooter elétrico BMW C Evolution

Com a nova geração do  BMW C Evolution, disponível em duas – a Long Range e a Europeia, que atenda aos requisitos da habilitação categoria A1 – destinada a modelos de até 125cc. A BMW Motorrad agora é a referência no segmento scooter a um novo nível. Dispondo de uma nova geração de baterias, tal como utilizado no modelo BMW i3. A estreia mundial terá lugar no Mundial de L’Automobile, Paris de 2016.

Dispondo de uma nova geração de células  de baterias com uma capacidade de 94 Ah, tal como seu irmão de quatro rodas BMW i3. Além disso, um novo cabo de carga com um diâmetro menor é agora incluído como padrão, além de novos acessórios opcionais, tais como o berço para Smartphone.

Na nova geração C Long Range a corrente contínua é de 19 kW (26 cv), 8 kW (11 hp) mais do que no modelo anterior, enquanto que a autonomia foi estendida a cerca de 160 quilômetros. A velocidade máxima ficou em 129 km / h (limitada eletronicamente). Em sua variante – habilitação A1 (apenas na Europa), o BMW C tem uma potência de 11 kW (15 hp). A autonomia de cerca de 100 km, a uma velocidade máxima de 120 km / h.

O visual mais refinado em ambas as versões tem novo acabamento de pintura Ionic Prata Metalizado / verde elétrico, combinado com a cor contrastante Blackstorm metálico. Um novo gráfico também foi adicionada ao centro da guarnição do túnel na versão de longo alcance. Os modelos já está disponíveis na Alemanha, França, Itália, Espanha, Reino Unido, Suíça, Áustria, Holanda, Bélgica, Luxemburgo, Portugal, Irlanda e China e agora também deverá ser lançado nos EUA, Japão, Coreia do Sul e Rússia. Sem previsão de vendas para o Brasil.

Novas características:

  • acionamento elétrico inovador via braço oscilante drivetrain com o e-motor com refrigeração líquida, correia dentada e engrenagens planetárias.
  • maior autonomia, devido à capacidade da célula de bateria ampliada para 94 Ah (anteriormente 60 Ah).
  • Versão Long Range: 19 kW (26 cv) saída contínua e 35 kW (48 cv) de pico.Velocidade máxima 129 km / h a aproximadamente 160 km.
  • A1 versão carta de condução (apenas na Europa): 11 kW (15 cv) saída contínua e 35 kW (48 cv) de pico. velocidade máxima 120 km / h a aproximadamente 100 km.
  • recuperação inteligente no modo de inércia e ao frear.
  • cabo de carga padrão com diâmetro menor.
  • curto tempo de carga.
  • efeitos de sinergia com automóveis BMW e segurança elétrica de acordo com padrão dos carros da marca.
  • chassis híbrido com manipulação ágil devido ao baixo centro de gravidade.
  • sistema de freios com ABS.
  • Vasta gama de características padrão, incluindo painel de instrumentos TFT multifuncional, LED de circulação diurna luz, indicadores de volta LED, vários modos de pilotagem e Controle de Torque Assist (TCA).
  • Nova pintura termina Ionic Prata Metalizado / verde elétrico.
  • detalhes high-end, tais como costuras de assento de pára-brisas e cor matizada.

Motocicletas 2016, mais verdes!

linkpress_strip_32118_0_fullApesar do Salão das Duas Rodas, em outubro, ser o palco para as marcas apresentarem seus novos produtos, é a partir do mês de março que as fabricantes de motocicletas têm a chance de lançar suas novas linhas, atualizações, melhorias e adequações para cumprir com as novas normas determinadas pela política de reduções de emissões de gases poluentes no meio ambiente.

É partir de janeiro de 2016, que tecnicamente os modelos 2016, deverão estar de acordo os limites máximos de emissão de poluentes provenientes do escapamento de motociclos, triciclos e quadriciclos, de acordo com o Programa de Controle da Poluição do Ar por Ciclomotores, Motociclos e Similares (PROMOT), em sua fase M4, simplesmente PROMOT M4.

Porém na disputa pelo lugar mais alto do pódio no mercado de motocicletas até 300 cc, e novas tecnologias, já foi dada a largada, pelas duas marcas líderes do mercado nacional: Honda e Yamaha.

2D8A8138KK (1)O que é novo. A Honda acabou de apresentar a nova POP 110i, que ganhou em melhorias estéticas, novo motor monocilíndrico de 109,1 cc e sistema de injeção eletrônica de combustível, mais potente e econômico. A Marca da Asa passa a oferecer nesse modelo três anos de garantia, sem limite de quilometragem, além da ampliação nos intervalos de revisões. Disponível nas cores Vermelha, Preta e Branca, e preço público sugerido de R$ 5.100,00, posto São Paulo, não inclui despesas com frete ou seguro.

STE_8579Na sequência a Yamaha anunciou a nova YZF-R3, recém lançada no exterior, que passa a ser montada em Manaus (AM). A R3 é equipada com um bicilíndrico de 321 cc, que entrega de 42 cv a 10.750 rpm de potência e 3,0 kgf.m. a 9.000 rpm de torque. O motor tem pistões forjados em alumínio e o cilindro emprega a tecnologia DiASil Yamaha, fabricado com 80% de Alumínio e 20% de Silício, alimentado por uma injeção eletrônica e uma unidade de controle digital de 16 bit. Além de câmbio de seis velocidades e freios a disco em ambas as rodas.

A Yamaha ainda em sua linha 2016 adicionou como única opção a tecnologia bi-combustível em seus modelos 250 cc, como Lander e Fazer.
A Yamaha em sua linha 250 cc 2016 mantém uma única versão bi-combustível, como Lander e Fazer BlueFlex.

Nas cores Midnight Black (preta), Rapid Red (Vermelha e Branca) e a Racing Blue (Azul e Prata Fosco). O preço de lançamento é de R$ 19.990,00 para a versão standard – disponível nas concessionárias no final de setembro, e R$ 21.990,00 na versão com ABS – no final de novembro. A Yamaha não polpa esforços em busca de cruzar a linha de chegada em primeiro lugar entre as esportivas de baixa cilindrada – segmento monopolizado pelas miniesportivas Honda CBR 300R e a Kawasaki Ninja 300 (Ninjinha), apresentando um pacote de facilidades para à sua aquisição, como: condições especiais de seguro com preço fixo que inclui rastreador, linha de crédito específica pelo Banco Yamaha e exclusivo plano do Consórcio Nacional Yamaha, com taxas especiais.

linkpress_strip_32118_3_fullJá a Honda aproveitou para realizar algumas das mudanças mais significativas da família CG, desde o seu lançamento em 1976. A nona geração da família Honda CG, agora CG160 Titan e CG 160 Fan, que introduzem melhorias significativas no estilo e também no conjunto mecânico, superando com folga as determinações do PROMOT M4.

O monocilíndrico agora tem 162,7 cc, saia do pistão está mais curta e a biela de curso mais longo, dois balanceiros com o eixo primário apoiado em rolamentos na tampa lateral, sistema de injeção eletrônica PGM-FI (Programmed Fuel Injection) e tecnologia bi-combustível Honda FlexOne.

O novo motor ganhou em potência e torque. São 14,9cv a 8.000 rpm se abastecido com gasolina, e 15,1 cv a 8.000 rpm com etanol. O torque máximo é de 1,40 kgf.m a 6.000 rpm e 1,54 kgf.m a 6.000 rpm, respectivamente. E apesar do ganho apresentado no desempenho a nova geração ficou 8% mais econômica. O câmbio é de cinco velocidades.

A CG 160 Fan 2016 está disponível nas cores vermelha, cinza e preta, enquanto a CG 160 Titan 2016 é encontrada em vermelho, branca e preta. Aos preços públicos sugeridos, posto São Paulo sem despesas de frete ou seguro inclusos, por R$ 7.990,00 (CG 160 Fan) e R$ 9.290,00 (CG 160 Titan). A garantia em ambas é de três anos, sem limite de quilometragem, com fornecimento gratuito de óleo nas sete primeiras revisões.

A corrida para atender as novas determinações do PROMOT para 2016 está em curso e as duas principais marcas do nosso mercado fazem valer-se do marketing sustentável para ofertar modelos totalmente novos ou reformulados.

A partir de 1º de janeiro de 2016 ficam estabelecidos os limites máximos de emissão de poluentes provenientes do escapamento de motociclos, triciclos e quadriciclos, fase PROMOT M4.
A partir de 1º de janeiro de 2016 ficam estabelecidos os limites máximos de emissão de poluentes provenientes do escapamento de motociclos, triciclos e quadriciclos, fase PROMOT M4.

O que será apresentado na décima terceira edição do Salão das Duas Rodas, em outubro?

A Yamaha já confirmou um novo modelo e sobre a Honda também são aguardadas algumas novidades – inclusive há rumores de uma 250 cc. Dafra, Kawasaki, Suzuki, Traxx, entre outras, também deverão apresentar modelos e versões mais verdes. Só resta aguardar até outubro pelas novidades.

13⁰ Salão das Duas Rodas

7 a 12 de outubro de 2015

Pavilhão de Exposições do Anhembi

Av. Olavo Fontoura, 1.209 – Santana – São Paulo

www.salaoduasrodas.com.br

SEGREDO: Brammo, Polaris, Victory Charger!

chargervictory
Esboço de patente da Victory Charger guarda semelhanças com os modelos Victory, adotando o motor elétrico e berço do motor do tipo perimetral, a semelhança da Brammo, Empulse R.

Foto: Marcel Mano
Foto: Marcel Mano

Foto: Marcel Mano
Foto: Marcel Mano

Como antecipado em TMoto “Polaris deve apresentar motos Victory ou Indian Elétrica este ano“, em janeiro, a Polaris Industries acaba de solicitar, dia 27, o registro de patente de um modelo Victory elétrica, além do registro do nome Victory Charger. Mesmo antes da aquisição pela Polaris, a Brammo havia anunciado o desenvolvimento de uma Cruiser elétrica. Agora a Polaris registra a nova motocicleta elétrica, o que indica uma rápida resposta da empresa americana diante do protótipo elétrico LiveWire da Harley-Davidson. O sucesso e repercussão da “tester” da HD, e sua aceitação pelos amantes da tradicional marca de Milwaukee, aceleraram os planos da Polaris Industries, que pretende dar início a comercialização das elétricas, no segundo semestre. #marcelmano #dumano #tmoto #chassisblog

Harley-Davidson LiveWire
Harley-Davidson LiveWire

GESTÃO AMBIENTAL HONDA

Divulgação.
Foto divulgação.

Honda deixe de emitir mais de 1500 toneladas de CO2 ao ano no meio ambiente com o uso de gás natural no processo produtivo de motocicletas da fábrica de Manaus (AM). A iniciativa, que teve investimentos na ordem de R$ 2,5 milhões, permite a substituição ao GLP (Gás Liquefeito de Petróleo), nas etapas de geração de vapor, derretimento do alumínio e secagem da pintura das motocicletas produzidas na capital manauara.