Após cinco anos de efetiva contribuição técnica do programa Inovar-Auto e também nos primeiros dois anos ao Rota 2030, a AEA – Associação Brasileira de Engenharia Automotiva anunciou ontem, dia 26 de novembro, estar preparada para debater e encaminhar propostas às futuras regulamentações de emissões para veículos leves, pesados e motociclos, além da Indústria 4.0, capítulos previstos na fase II da principal política industrial do setor automotivo. Durante o encontro promovido, o novo presidente da entidade também foi apresentado, Besaliel Botelho.

No encontro de final de ano com a imprensa especializada foram apresentados os dados sobre as etapas do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (PROCONVE), além do Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares (PROMOT), até a atual fase M4.

Fases do Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares.

De acordo com Marcio Azuma, diretor executivo da AEA, ligado à área de regulamentações e certificações da Honda, nos últimos 10 anos, o Promot M5 está previsto para entrar em vigor em 2023 a partir de novos modelos, e em 2025 para todos os modelos em produção.

O Promot M5 adotará ajustes elétricos e eletrônicos calibrados para menores emissões de gases poluentes no meio ambiente e provavelmente uma luz indicadora, no painel de instrumentos, indicando anomalia nos níveis de emissões, assim tipo, a espia de anomalia no sistema de injeção, hoje mais comum nos modelos produzidos nos últimos anos.

Entidade ainda promoveu o lançamento oficial do “Desafio AEA de Manufatura Avançada” à rede pública do Estado de São Paulo, inicialmente, com o objetivo de estimular os alunos dos ensinos fundamental e médio em relação à Inteligência Artificial (IA) e Internet das Coisas (IoT), bases da Indústria 4.0.